terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Em Curitiba, Passageiros aprovam novos ônibus híbridos nas linhas convencionais

16/12/2012 - Prefeitura de Curitiba

Quatro linhas convencionais – Detran/Vicente Machado, Juvevê/Água Verde; Jardim Mercês/Guanabara e Água Verde/Abranches – passaram a ser servidas pelos novos ônibus híbridos, dotados, simultaneamente, de um motor elétrico e outro movido a biodiesel. A novidade agradou os passageiros, que aprovaram o conforto dos carros que usam a chamada "tecnologia limpa", com baixo índice de emissão de poluentes.


Nas quatro linhas, os ônibus têm pintura predominantemente marrom sobreposta ao tradicional amarelo dos convencionais, enquanto os interbairros, já em circulação desde setembro, têm cor verde, salientando o design da carroceria que chama a atenção por onde passa. "Achei que o novo ônibus é menos barulhento, gostei muito", disse a confeiteira Tereza Cordeiro Faria, que pela primeira vez embarcou no Hibribus da linha Detran/Vicente Machado. A opinião de Tereza é compartilhada pela estudante Alícia Lung. Segundo ela, o novo ônibus representa um modelo sustentável para o transporte. "Além de silencioso, é fruto de um projeto ambientalmente correto", diz.

Já o conforto e o ambiente silencioso no interior do coletivo são argumentos usados pela consultora Luciana Alves para, preferencialmente, fazer seus deslocamentos em um dos ônibus híbridos. Diariamente, Luciana vai do Batel ao Tarumã, a serviço, e aproveita o tempo de viagem para usufruir a tranquilidade no interior do coletivo.

Tecnologia - Se comparados com os coletivos equipados com motores da geração Euro 3 até então em uso nas linhas, os 20 novos Hibribus, produzidos pela Volvo do Brasil e incorporados à frota do sistema de transporte administrado pela Urbs – Urbanização de Curitiba S/A, a emissão de poluentes e material particulado é reduzida em até 89%. Já a emissão de óxido de nitrogênio (NOX) sofre redução de até 80%, e o de dióxido de carbono (CO2), de até 35%. Além disso, os ônibus híbridos consomem 35% menos biodiesel que os até então em uso nas linhas.


Os dois motores funcionam da seguinte forma: o elétrico é usado no arranque e na aceleração. Quando o ônibus alcança a velocidade de 20 km/h, entra em ação o motor movido a biodiesel. A realimentação das baterias elétricas acontece a cada frenagem do veículo.

"A diferença, para quem espera o ônibus no ponto, é que ele é muito silencioso e não emite a tradicional nuvem de óleo diesel que polui o meio ambiente, permitindo deslocamentos prazerosos numa Curitiba que privilegia a energia limpa", frisa a assistente administrativa Simone Lourenço.

A entrada em operação dos ônibus híbridos faz parte da política do município de investir na redução do impacto ambiental da frota do transporte coletivo. Atualmente, a frota operante da Rede Integrada de Transporte é formada por 2001 ônibus, e 30 deles são ônibus híbridos.

Informações: Prefeitura de Curitiba

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Rodoferroviária de curitiba completa 40 anos

13/11/2012 - Prefeitura de Ciritiba

Ao completar 40 anos, o terminal passa pela sua primeira grande revitalização.

A Estação Rodoferroviária de Curitiba completa 40 anos de funcionamento nesta terça-feira (13), e é a principal referência para quem chega à cidade em um dos ônibus das 35 empresas que atendem linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais, e que também partem do terminal com área de 72.160 metros quadrados 25,6 mil deles de área construída -, além dos 10 mil metros quadrados de área verde.

Desde sua instalação, conforme os decretos 184, de 1972, e 90, de 1976, a Prefeitura de Curitiba delegou à Urbs Urbanização de Curitiba S/A, as atribuições de operar e administrar o terminal rodoviário.

Projetado pelo já falecido arquiteto Rubens Meister, o complexo foi construído às margens da avenida Presidente Affonso Camargo pela Construtora Pussoli Ltda, dividido em três alas interestadual, estadual e ferroviária, além do prédio central, em formato de cubo, hoje ocupado pela direção da Urbs. A primeira saída de um ônibus rodoviário do novo terminal foi numa quinta-feira, 26 de outubro de 1972, mas a inauguração oficial foi numa quarta-feira, 13 de novembro do mesmo ano.

Até então, o Terminal Guadalupe, na rua João Negrão, inaugurado em 1958 pelo então prefeito Ney Aminthas de Barros Braga, era o ponto de chegada e saída de ônibus rodoviários. O novo complexo então construído no antigo bairro Capanema, hoje Jardim Botânico, dispunha de uma completa infraestrutura então inédita na cidade, dispondo de um total de 50 plataformas 25 na ala interestadual, e outras 25 na ala estadual, além de lanchonetes, restaurantes e serviços casa lotérica, posto da Polícia Militar, bancas de revistas, lojas de artigos para presentes e lembranças.

Ao completar 40 anos, o terminal passa pela sua primeira grande revitalização. Considerado pela Urbs uma pequena cidade que precisa ser bem administrada 24 horas por dia para atender as cerca de dez mil pessoas que diariamente circulam embarcam em aproximadamente 350 ônibus com direção aos mais diversos destinos, diz o diretor de Planejamento e Desenvolvimento da Urbs, Fabiano Braga Côrtes Júnior. Os trabalhos, que fazem parte da preparação para a Copa do Mundo da FIFA 2014, devem estar concluídos em setembro de 2013.

O que muda A revitalização da Rodoferroviária de Curitiba será feita a partir da adequação do sistema viário do entorno e da mudança de uso e melhor aproveitamento de espaços. O passo inicial foi dado em 21 de junho deste ano, quando, em Brasília, a ministra Miriam Belchior, do Planejamento, e o prefeito Luciano Ducci assinaram o termo de cessão do terreno da Rodoferroviária ao Município de Curitiba. O projeto de revitalização do terminal é do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), preservando-se, porém, o projeto original de Rubens Meister.

Quando concluídos os trabalhos, os usuários contarão com 16 conjuntos sanitários (oito masculinos e oito femininos, além de mais oito entre deficientes físicos e fraldário), 560 assentos na área de embarque, praça de alimentação climatizada com 142 metros quadrados, novos estacionamentos, além de um restaurante para 56 pessoas. As salas de espera, conforme projeto do Ippuc, serão climatizadas, oferecendo completo conforto e comodidade aos passageiros.

A sala de embarque será na parte interna do piso térreo, e terá acesso exclusivo e climatizada, controlada por catracas com leitura por código de barras. Atualmente esses embarques ficam acumulados perto dos ônibus e a aglomeração de pessoas é muito grande na véspera de feriados ou no período de férias.

Na parte térrea externa, hoje ocupada pelos guichês das empresas de ônibus, serão instalados pontos de comércio e serviços. A venda de bilhetes passa a ser feita no piso superior. Quando os trabalhos de revitalização estiverem concluídos, os usuários poderão contar com quatro elevadores capazes de transportar os passageiros e suas bagagens, bem como quatro escadas rolantes e uma nova passarela com plataforma elevatória que será para uso de pessoas com deficiência.

Outras mudanças Além da sala de embarque separada, haverá uma área exclusiva para desembarque com plataforma para 10 ônibus, sem acesso aos que se dirigem ao embarque. Além de uma central telefônica concentrada e de espaço exclusivo em que serão instalados 10 caixas eletrônicos, acompanhantes dos que viajam ou chegam contarão com espaços exclusivos de estar fora da área de embarque.

Além de uma nova central de informações, a Rodoferroviária revitalizada contará também com cafeteria e revistaria instaladas tanto em espaços exclusivos de embarque como fora deles. O espaço comercial englobará uma farmácia e mais sete espaços com cerca de 35 metros quadrados cada, no pavimento térreo.

A administração do terminal também ganha espaço novo, devendo ser readequados os espaços a serem ocupados pela Polícia Militar, o Juizado de Menores, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR) e organismos afins.

Área externa Dentro do programa de revitalização da Rodoferroviária está também a área externa repaginada, com estacionamento dotado de 278 vagas, além de outras nove para deficientes e 63 vagas rotativas. Os táxis ocuparão um espaço mais separado da entrada dos carros. Todo o paisagismo do terminal também será revitalizado, enquanto um novo estacionamento, subterrâneo, sob a avenida Presidente Affonso Camargo, contará com 450 vagas. O projeto prevê ainda a criação de uma ciclovia defronte ao terminal, e a instalação de um bicicletário no complexo rodoviário.

Infraestrutura A grande revitalização que ocorre quando a Rodoferroviária completa 40 anos, prevê, conforme o projeto do Ippuc, várias intervenções na infraestrutura, como a cobertura, substituindo-se as atuais telhas de amianto por um novo material com isolamento térmico e acústico. Até o término dos trabalhos já terão sido reformadas as instalações elétricas, hidráulicas, de sonorização, da rede de fiação, com troca também das caixas de som e da iluminação em geral. Outro benefício será o do reaproveitmento das águas pluviais.

Em todo o complexo serão instaladas telas e monitores, nas áreas comuns, a exemplo dos aeroportos, para divulgação dos horários de saída e chegada dos ônibus. Esse serviço será interligado ao já existente sistema de operação de plataformas. As mensagens e serviços, futuramente, serão repassadas aos passageiros e demais usuários em diversas línguas.

Eventuais quedas de energia elétrica serão contornadas com a instalação de um moderno grupo de geradores capaz de atender todo o terminal. Além da nova e moderna comunicação visual, que permitirá ao viajante encontrar rapidamente os serviços disponíveis, os novos relógios instalados nas plataformas serão digitais.

Números A Rodoferroviária de Curitiba ocupa endereço estratégico, porque o acesso ao terminal é feito fácil e rapidamente por intermédio do Sistema Integrado de Transporte. Quem desembarca no Aeroporto Internacional Affonso Pena, no vizinho município de São José dos Pinhais, chega à rodoviária com ajuda de ônibus executivos que ligam os dois terminais, ou com o ônibus Linha Direta Aeroporto o popular Ligeirinho -, que sai do terminal aeroviário e para na estação-tubo Rodoferroviária, que fica na esquina da avenida Sete de Setembro e a rua Mariano Torres, a 100 metros dos ônibus rodoviários. Da rodoviária também não há qualquer dificuldade em chegar ao centro da cidade e à vasta rede hoteleira.

As empresas interestaduais atendem 62 linhas; as intermunicipais, ou seja, as que operam exclusivamente dentro do Paraná, 85 linhas, e as internacionais, cinco linhas com seis horários/dia de forma alternada. Há ainda outras 36 linhas em trânsito.

Em novembro de 1972, quando a Rodoferroviária foi inaugurada, dando início às operações em substituição ao velho Terminal Guadalupe, o movimento, de 13 a 30 daquele mês, somou 22.007 saídas, 18.717 chegadas, 361 ônibus em trânsito, totalizando 41.085 coletivos. No mesmo período houve 403.640 embarques, 459.627 desembarques, 8.009 pessoas em trânsito, totalizando 961.276 passageiros. Em 40 anos de funcionamento, o maior movimento de ônibus na Rodoferroviária verificou-se em 1987, quando 394.045 coletivos chegaram e saíram do terminal. O movimento recorde de embarques, desembarques e pessoas em trânsito também foi apurado em 1987, contabilizando 11,5 milhões de passageiros.



Enviado via iPhone

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

BRT da Linha Verde de Curitiba é eleito a melhor obra de infraestrutura do Prêmio PINI

BRT da Linha Verde de Curitiba é eleito a melhor obra de infraestrutura do Prêmio PINI

07/11/2012 -
A rodovia BR-116, também conhecida como Régis Bittencourt no trecho entre Curitiba e São Paulo, cortava a capital paranaense de Norte a Sul da cidade, rumo a Porto Alegre. A convivência do perímetro rodoviário com a mancha urbana curitibana trazia diversos conflitos ao município e seus cidadãos, como alto risco de acidentes, difícil travessia da rodovia e tráfego intenso.


Mas o que antes era foco de problemas urbanísticos hoje é a matéria-prima para a criação de um novo eixo de desenvolvimento da cidade: a Linha Verde, obra em andamento e que está transformando o trecho urbano da BR-116 em Curitiba na maior avenida da cidade, com 18 km de extensão. Ao final das empreitadas em 2016, 20 bairros que antes ficavam separados pela rodovia serão interligados pela nova via municipal com sistemas integrados de transporte público.

O perfil de ocupação ao longo da avenida (agora antiga BR-116) também será expressivamente modificado a partir da mudança de zoneamento das áreas que a permeiam e da implantação de: transposições em desnível (viadutos e mergulhões), novas edificações comerciais e habitacionais, áreas verdes e espaços públicos, vias locais marginais, ciclovias, além de melhorias na infraestrutura viária, considerando pavimentação, drenagem, sinalização, iluminação pública, paisagismo, canteiros e calçadas padronizadas.

BRT da Linha Verde
A avenida Linha Verde terá dez pistas de rolamento, sendo seis para o sistema viário (três em cada sentido), duas vias locais de passagem (uma em cada sentido) e duas exclusivas para a circulação rápida de ônibus biarticulados - o sexto eixo de Bus Rapid Transit (BRT) de Curitiba.

Esse modelo de transporte, criado pelos curitibanos na década de 1970 e que serviu de modelo para países como Estados Unidos, França, México e Colômbia, aumentou em 47% a capacidade de transporte de passageiros em Curitiba, segundo a prefeitura. Apenas na Linha Verde, circularão três novas linhas do Sistema Expresso Ligeirão - ônibus curitibanos que transitam nos corredores expressos e fazem paradas a cada 1 km em média. Com isso, o novo eixo de BRT será integrado à rede de transportes local, que atualmente já conecta 13 dos 29 municípios da região metropolitana de Curitiba, e também à primeira linha de metrô da cidade, que está em processo inicial de licitação.

"A intenção é que a Linha Verde seja expandida tanto ao Norte, na direção do município de Colombo, quanto ao Sul, chegando até a cidade Fazenda Rio Grande, onde a duplicação da BR 116, no trecho entre Curitiba e Mandirituba, já está em curso", comenta Cléver de Almeida, presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curituba (IPPUC).

O novo corredor de BRT terá pistas separadas por canteiros, sinalização específica, 13 estações para embarque e desembarque de passageiros, gradis no entorno das estações, ilhas de descanso e semáforos, além dos próprios ônibus biarticulados, com 28 m de comprimento e capacidade para 250 passageiros.

Devido ao solo de turfa e à necessidade de suportar o tráfego intenso, a base da pavimentação do BRT da Linha Verde foi executada em concreto com acabamento em asfalto. O pavimento está sendo restaurado nos pontos de coincidência do traçado da rodovia com a nova linha.

As calçadas da linha serão amplas, antiderrapantes e em cores diferenciadas, com faixas e placas indicando o trajeto mais seguro a ser feito pelos pedestres. Em vias marginais à grande avenida, ao longo de toda sua extensão, serão implantadas ciclorrotas com trechos de uso exclusivo dos ciclistas e outros compartilhados com transeuntes.

Nos pontos de travessia de pedestres, as pistas têm 10,5 m e são intercaladas com canteiros, rampas no meio-fio, calçadas amplas, praças para estações-tubo, gradis, semáforos e sinalização adequada para o conforto e segurança dos usuários. Já nos trechos de travessia de veículos, serão implantados binários e trinários na avenida, permitindo o cruzamento em mão única e por ruas largas. Até então, nos bolsões da antiga BR a circulação era restrita a um veículo por vez, sendo a conversão feita na pista da própria rodovia.

O projeto de iluminação da Linha Verde e do corredor do BRT prevê a instalação de 352 superpostes de 16 m de altura (que iluminam áreas maiores e dificultam atos de vandalismo), 480 postes comuns ornamentais, 608 luminárias de alto rendimento de 400 W e 460 luminárias de 250 W, além de 40 mil m de cabos de iluminação e 26 mil m de fiação. Os antigos postes serão reaproveitados em outras áreas da cidade.

Dados do empreendimento

Iniciadas em 2007, as obras de implantação da Linha Verde têm previsão de término para 2016 e foram divididas em dois trechos: Sul e Norte. O primeiro, entregue em 2009, liga o bairro do Pinheirinho ao Jardim Botânico e foi construído em dois lotes pelos consórcios Rendram/Delta e Camargo Correa/Empo. Já a linha Norte vai do Jardim Botânico ao Atuba, somando 10 km de extensão, e foi dividida em quatro lotes. Numa terceira etapa, a Linha Verde Sul será ampliada até o município vizinho de Fazenda Rio Grande. Veja detalhamento das obras:

LINHA VERDE SUL (ENTREGUE EM MAIO/2009)
Trecho: 9,4 km, do Pinheirinho ao Jardim Botânico
Investimento: R$ 121 milhões
Bairros: Pinheirinho, Xaxim, Capão Raso, Fanny, Parolin, Novo Mundo, Hauer, Guabirotuba, Prado Velho e Jardim Botânico
Vias urbanas: 30 ruas dos bairros foram reformadas para formar quatro binários e completar o sistema trinário da Marechal Floriano
Estações: são seis no total (Vila São Pedro, Xaxim, Santa Bernadethe, Fanny, Marechal Floriano, Avenida das Torres)
População atendida pelos ônibus: 37 mil passageiros por dia
Ciclovia: 10 km (6 km de ciclovia exclusiva e 4 km de ciclovia compartilhada)
Parques: está pronto o Parque Linear da Linha Verde, com área total de 21 mil m² distribuídos ao longo do trecho entre Pinheirinho e Hauer. Será implantado ainda o Horto-Parque, área do Horto Municipal do Guabirotuba
Viadutos: melhorias nos viadutos Xaxim e Hauer
Zoneamento: a região deixou de ser enquadrada como "setor de serviços" e passou a "setor especial", de acordo com a lei de zoneamento de janeiro de 2000. Com isso, já é possível a construção de prédios (antes proibida) e a implantação de comércio em geral na região

LINHA VERDE NORTE
Etapas: serão feitas no total quatro licitações para todo o trecho de quase 9 km entre o bairro Jardim Botânico, sob a passarela do Centro Politécnico, até o extremo norte de Curitiba, no Atuba, passando por 11 bairros que hoje são separados pela antiga rodovia
● Primeiro trecho: 2,3 km entre os bairros Jardim Botânico e Tarumã (R$ 52 milhões)
● Segundo trecho: Viaduto da Victor Ferreira do Amaral (R$ 36,700 milhões)
● Terceiro trecho: Victor Ferreira do Amaral - Solar (R$ 37,100 milhões)
● Quarto trecho: Solar - Atuba (R$ 66,500 milhões)
Construtora do trecho em obras: Consórcio Empo/Marc
Bairros envolvidos na primeira etapa das obras: Jardim Botânico, Jardim das Américas, Cajuru, Cristo Rei, Capão da Imbuia e Tarumã
Obras em andamento: drenagem, canaletas para ônibus, pistas marginais e locais, sinalização, iluminação, ciclovia e calçada, trincheiras e a Estação Jardim Botânico
Bairros por onde a Linha Verde Norte passará: Jardim Botânico, Jardim das Américas, Cajuru, Cristo Rei, Capão da Imbuia, Tarumã, Jardim Social, Bairro Alto, Bacacheri, Tingui e Atuba
Mergulhões: serão sete ao todo (dois no binário Agamenon Magalhães/Roberto Cichon, ligando os bairros Cristo Rei e Cajuru; um na Victor Ferreira do Amaral, no Tarumã; três no Atuba e um entre os bairros Bacacheri e Bairro Alto
Viadutos: ampliação das obras de arte da Avenida Victor Ferreira do Amaral e da Avenida Affonso Camargo
Estações: são nove no total (Atuba, Solar, Fagundes Varela, Vila Olímpica, Tarumã, Jardim Botânico, Avenida das Torres, Universidade Federal do Paraná e Pontifícia Universidade Católica)
Binários: nas ruas Agamenon Magalhães e Roberto Cichon
Financiamento: Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD)

Por Mirian Blanco / Revista Construção Mercado



Enviado via iPhone

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Ônibus que poluem 90% menos começam a circular em Curitiba

28/09/2012 - G1 PR

Hibribus é movido a eletricidade e a biodisel; é o 1º modelo feito no Brasil. São Paulo também terá 'ônibus ecológico' na frota.

Hidribus (Foto: Ito Cornelsen/ Divulgação Volvo)
Por Ariane Ducati
Do G1 PR

A partir de sábado (29), os primeiros ônibus híbridos produzidos no Brasil começam a circular em Curitiba . Os veículos movidos a eletricidade e biodiesel, chamados hibribus, reduzem 90% a emissão de poluentes, na comparação com os ônibus que circulam atualmente, e 35% o consumo de combustível.

Além disso, o hibribus é mais silencioso, não emite ruídos em cerca de 30% do tempo de operação. O modelo é fabricado na unidade da montadora Volvo em Curitiba, a primeira a produzir o hibribus fora da Suécia , sede mundial da marca.

Os ônibus híbridos começaram a ser fabricados no país em junho e foram apresentados, no mesmo mês, na Rio +20, conferência da Organização das Nações Unidas ( ONU ) realizada no Rio de Janeiro , como exemplo de desenvolvimento sustentável. Assim como Curitiba, que terá 30 hibribus circulando ainda este ano, São Paulo também contará com 50 modelos 'ecológicos'.

Ônibus híbrido da Volvo
Tecnologia
O modelo funciona com os dois motores – elétrico e a biodiesel - de forma independente. O elétrico é usado para arrancar o veículo e acelerá-lo até uma velocidade de aproximadamente 20 km/h. A fonte, que fica na parte superior do ônibus, também é utilizada como geradora de energia durante as frenagens.

Já o motor diesel entra em funcionamento em velocidades mais altas. Quando os freios são acionados, a energia de desaceleração é utilizada para carregar as baterias. E quando o ônibus está parado, no trânsito, nos pontos de ônibus ou nos semáforos, o motor diesel fica desligado.
A tecnologia aplicada faz com que o valor dos veículos seja 60% maior que o dos modelos convencionais. Cada hibribus custa R$ 600 mil e tem capacidade total de 80 passageiros, sendo que para 32 pessoas sentadas.

Trajetos em Curitiba
Na capital paranaense, 30 hibribus vão compor a frota atual de 1.915 ônibus. Os dez primeiros vão fazer a linha Interbairros I, que percorre os bairros: Centro Cívico, Juvevê, Alto da Rua XV, Centro, Rebouças, Jardim Botânico, Prado Velho, Água Verde, Batel, Bigorrilho, Mercês, São Francisco e Bom Retiro, a partir de sábado.

Os outros 20 veículos vão substituir os ônibus que fazem as linhas Detran-Vicente Machado, Água Verde-Abranches, Juvevê-Água Verde, e Jardim Mercês-Guanabara. A previsão é de que estes hibribus estajam circulando até o fim de outubro. Além disso, em 2013 mais 30 ônibus 'ecológicos' devem ser incluídos na frota.

De acordo com o diretor de transportes da Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), Antonio Carlos Pereira Araujo, responsável pelo transporte da cidade, o usuário terá vantagens ao utilizar o hibribus. "O Interbairros I será integrado ao restante do sistema. Ou seja, o passageiro entra em qualquer outro ônibus, de outra linha, e a partir do momento do pagamento da passagem - com o cartão-transporte - ele tem duas horas para embarcar em um ônibus da linha Interbairros I, sem pagar outra passagem. E vice-versa".
Araujo ainda ressalta que o veículo híbrido compensa pela economia de combustível, por favorecer a ecologia, poluir menos, emitir menos fumaça e fazer menos barulho. "A alternativa de tecnologia compensa o investimento inicial pelos benefícios e depois há um barateamento do produto", comentou Araujo.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Transporte passa a ser totalmente integrado em São José dos Pinhais

19/09/2012 - Paraná Online

O transporte coletivo de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, será integrado a partir da próxima segunda-feira (24). Em nota expedida pela prefeitura do município, foi informado que a integração se dará por meio do Vale Eletrônico Municipal, e que será possível pagar apenas uma tarifa para andar dentro da cidade durante o período de uma hora sem a necessidade do pagamento de outra passagem. Hoje, o cartão permite aos usuários trocar de ônibus pagando apenas meia tarifa.

A integração do transporte coletivo foi definida na tarde desta terça-feira (18), com a assinatura da ordem de serviço pelas empresas vencedoras do processo e a prefeitura. De acordo com a prefeitura, a licitação do serviço e a consequente integração do transporte coletivo dentro de São José dos Pinhais permite ao município pleitear junto a Curitiba a integração das linhas que transportam passageiros entre as duas cidades.

Os serviços do sistema de transporte coletivo de passageiros serão concedidos por 15 anos, podendo ser prorrogados por mais dez anos, se for de interesse público. "A licitação é importante para o município e para as empresas que administram o serviço, pois ambas possuem a segurança do contrato", diz o secretário municipal de Urbanismo, Luis Scarpin.


Enviado via iPhone

Linhas de ônibus que operam dentro de São José dos Pinhais passam a ser integradas

25/09/2012 - Prefeitura

A Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais informa que a partir do dia 24 de setembro todas as linhas de ônibus que operam dentro do município passam a ser integradas. A integração do transporte coletivo foi definida a partir da licitação do serviço. No dia 18 de setembro as empresas vencedoras do processo - Sanjotur e Auto Viação São José Ltda – e a Prefeitura assinaram a ordem de serviço para iniciar a administração dos ônibus da cidade.

A integração se dará por meio do Vale Eletrônico Municipal (VEM), que pode ser feito gratuitamente por qualquer cidadão. Além do cartão VEM tradicional, são aceitos para fazer a integração o VEM Cidadão, Sênior, Vale Transporte, Estudante e Passe das Artes, todos igualmente gratuitos. Com eles, será possível aos são-joseenses pagar apenas uma tarifa para andar dentro da cidade durante uma hora. O cartão VEM já permitia aos usuários trocar de ônibus pagando apenas meia tarifa e agora eles não precisarão mais desembolsar dinheiro para isso.

Com o sistema inteligente do transporte em São José dos Pinhais, o usuário não depende dos terminais para fazer a integração. Assim, o passageiro pode descer em qualquer ponto, dentro ou fora dos terminais, e terá uma hora para tomar um segundo ônibus.

A licitação do serviço e a consequente integração do transporte coletivo dentro de São José dos Pinhais permitem ao município pleitear junto a Curitiba a integração das linhas que transportam passageiros entre as duas cidades.

Os serviços do sistema de transporte coletivo de passageiros serão concedidos por 15 anos, podendo ser prorrogados por mais dez anos, se for de interesse público. O lote 01, do qual a empresa Auto Viação São José Ltda. saiu vencedora, corresponde às regiões norte, leste e oeste; e o lote 02, que compreende a região sul, será administrado pela Sanjotur.

"A licitação é importante para o município e para as empresas que administram o serviço, pois ambas possuem a segurança do contrato", destaca o secretário municipal de Urbanismo, Luis Scarpin.

A abertura dos envelopes da licitação e a avaliação dos três quesitos necessários às empresas concorrentes ocorreram na semana passada. Foram avaliadas as habilitações, as propostas técnicas e as propostas de preços das três empresas participantes.

"Nós já tínhamos tecnologia embarcada, mas com a licitação teremos que aprimorar para melhorar o desempenho e atendimento", afirma Antonio Jorge M. de Brito, gerente da Sanjotur.

"A coisa toda só anda quando existe diálogo. É importante fazer tudo com bom senso", complementa o diretor administrativo da Auto Viação São José dos Pinhais Ltda., Dante Franceschi.

Sobre a Licitação

A licitação do transporte coletivo foi realizada neste ano pela primeira vez na história de São José dos Pinhais. Entre as novidades previstas pelo processo estão a integração total das linhas dentro do município e maior transparência no custo da tarifa. "A integração do município possibilitará a criação de novas linhas, novos itinerários e maior fiscalização do transporte coletivo", afirmou o secretário municipal de Urbanismo, Luiz Scarpin.

A licitação também prevê melhorias nos terminais de ônibus e criação de seis novos pontos de integração (Borda do Campo, Izaura/Ipê, Costeira, Contenda, Rui Barbosa e Vila Jurema). As empresas contratadas também deverão adequar os veículos e fazer a instalação de novas tecnologias nos ônibus, como câmeras de vídeo, GPS e computador de bordo.

"As inovações tecnológicas vão permitir um maior controle sobre a frota; maior segurança nos veículos, reduzindo o risco de assaltos em virtude da instalação de câmeras e cofres; e maior conforto e agilidade aos usuários, que poderão saber onde está o ônibus que desejam pegar, evitando as longas esperas nos pontos", explica Saulo Aversa, chefe da Divisão de Transporte da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito.

Cartão VEM - Qualquer pessoa pode fazer o cartão VEM. A primeira via é gratuita e pode ser solicitada na Central do Vale Eletrônico Municipal, localizada na Rua Marcelino Nogueira, 278, no Centro; no Terminal Central e também no Ponto de Integração de ônibus do bairro São Marcos. Para fazer o cartão VEM basta o usuário levar os documentos pessoais (CPF e RG) e um comprovante de residência.


Enviado via iPhone

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Linha Turismo (Curitiba) terá mais três ônibus

22/08/2012 - Panrotas

Turistas embarcam em ônibus da Linha Turismo (foto divulgação/Prefeitura Municipal de Curitiba)

Segundo a Prefeitura Municipal de Curitiba, a Linha Turismo vai ganhar mais três ônibus de dois andares. Dois deles entrarão em circulação até meados do próximo mês, e um terceiro deverá começar a operar até dezembro. Com os novos veículos, a frota passará a ter 12 ônibus de dois andares e cinco jardineiras.

A Linha Turismo percorre os principais pontos turísticos da cidade e que se transformou em um dos maiores atrativos para os visitantes de Curitiba.

De janeiro até o dia 12 de agosto passado, a Linha Turismo já registrou 382.750 embarques. No ano passado, foram 607.263 embarques – recorde. Em 2010 foram 533 mil embarques.

Pesquisa feita pelo Instituto Municipal de Turismo em 2011 mostrou que 89,5% dos usuários da linha são turistas dos Estados de São Paulo (29,6%), do Rio de Janeiro (11,3%), do Paraná (11,0%), de Minas Gerais (8,6%) e de outros países (5,2%). O passeio também é procurado pelos moradores da cidade (10,5%).

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Melhorias em São José dos Pinhais

14/08/2012 - Ônibus de Curitiba

SJP está tendo uma revolução no transporte coletivo. A prefeitura anunciou a criação de 6 estações de integração (mini terminais)

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Em Curitiba, Linha Verde terá veículos integrados entre estações-tubo

25/07/2012 - Gazeta do Povo

Os passageiros da linha Ligeirão Pinheirinho/Praça Carlos Gomes, que passam por cinco estações-tubo na Linha Verde, agora podem fazer a integração com as estações em frente e com outras linhas de ônibus da avenida sem precisar pagar outra passagem. Um usuário que transite do Terminal Pinheiro no sentido Centro e precise desembarcar para retornar ao local de origem poderá entrar na estação em frente com a mesma passagem.

O benefício vale apenas para quem usa o cartão da Rede Integrada de Transporte (RIT). Ao embarcar no terminal ou em uma estação, o passageiro tem um prazo de duas horas para, caso precise, reembarcar sem gastar outra passagem. As estações-tubo atendidas são: Marechal Floriano Peixoto, Alferes Poli, Santa Bernardete, Xaxim e São Pedro. Quando o usuário descer em um desses locais, deverá passar o cartão em uma máquina que cadastra o passageiro. Dessa forma ele poderá, em um intervalo de cinco minutos, voltar para o início da viagem ou outro ponto desejado. Segundo a Urbs, o procedimento também pode ser feito para quem precisa utilizar uma das linhas de ônibus alimentador ou ligeirinho que passe pela Linha Verde ou em expressos que também transitem na avenida.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Maringá recebe R$ 4,18 milhões para melhorias no transporte coletivo 

15/07/2012 - O Diário

A Prefeitura de Maringá vai receber empréstimo no valor de R$ 4,18 milhões, para melhorias no transporte coletivo urbano, pelo programa Pro-Transporte do Governo Federal. A informação foi publicada no Diário oficial da União desta segunda-feira (16).

Os recursos são provenientes do FGTS e repassados pela Caixa Econômica Federal. O Pró-Transporte está vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego e seu objetivo é promover a concessão de financiamento, ao setor público e à iniciativa privada, obras de infra-estrutura de transporte coletivo urbano para o desenvolvimento físico-territorial, econômico e social, a melhoria da qualidade de vida e a preservação do meio ambiente.

O dinheiro deve ser utilizado na implantação, recuperação, requalificação e/ou ampliação de vias segregadas, vias exclusivas e faixas exclusivas para veículos de transporte coletivo urbano de passageiros, de terminais de transporte coletivo urbano de passageiros, de grande e pequeno porte, para todas as modalidades de transporte coletivo urbano, de pontos de conexão de linhas de transporte coletivo urbano de passageiros, da mesma modalidade ou modalidade distintas, construção de abrigos nos pontos de parada de ônibus, em obras de acessibilidade de pedestres, ciclistas e pessoas com dificuldade de locomoção às vias, estações terminais, pontos de conexão e abrigos e em  estudos e projetos de concepção, projetos básicos e executivos para o empreendimento.

A carência para pagamento do empréstimo é de 10 meses, amortizado em 240 meses.

domingo, 17 de junho de 2012

Curitiba apresenta o Hibribus na Rio+20

14/06/2012 - Prefeitura de Curitiba

O prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, apresentou nesta quinta (14) na Rio+20 o Hibribus, ônibus híbrido com motores elétrico e a biodiesel que fará parte da frota do transporte coletivo da cidade.
"O Hibribus é mais um avanço no sistema de Curitiba, que busca sempre estimular o uso do transporte coletivo aliado à sustentabilidade. Desenvolvemos um sistema de ônibus que é referência mundial, investimos agora no biocombustível e nos motores menos poluentes e estamos iniciando a implantação do metrô", disse Luciano Ducci.
O Hibribus começou a ser produzido pela Volvo em Curitiba neste ano, com investimento de US$ 20 milhões. Até então, o ônibus era produzido apenas na Suécia. O sistema de transporte de Curitiba vai investir R$ 26 milhões para adquirir os primeiros 60 veículos híbridos para a frota.
Com capacidade para 85 passageiros cada, eles entrarão na Rede Integrada de Transporte, a partir de setembro, em linhas convencionais, que fazem ligação bairro a bairro (Detran/Vicente Machado/ Água Verde/Abranches; Juvevê/Água Verde; e Jardim Mercês/Guanabara) e em linha circular, a Interbairros 1. "Focamos no aproveitamento de todos os modais possíveis para a evolução constante de nosso transporte coletivo", afirmou Luciano Ducci.
"Estamos muito otimistas com este revolucionário veículo. É o ônibus do futuro", afirmou Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America, que participou do lançamento no estande de Curitiba na Rio+20, a conferência mundial da ONU sobre desenvolvimento sustentável, que acontece até dia 22 no Rio de Janeiro. O Hibribus ficará no estande de Curitiba na Rio+20, no Paque dos Atletas, durante toda a conferência.
O secretário de Transportes do Rio de Janeiro, Alexandre Sansão, elogiou o novo ônibus de Curitiba e frisou que o transporte da capital paranaense é modelo para os cariocas. “Acabamos de implantar no Rio de Janeiro o Ligeirão, inspiradíssimos em Curitiba. A participação de Curitiba na Rio + 20 é bastante significativa, porque é uma cidade avança no modelo sustentável de transporte”, disse Sansão que representou o prefeito carioca Eduardo Paes no lançamento do Hibribus. Também participaram do lançamento o secretário estadual para a Copa, Mario Celso Cunha, o chefe do Gabinete do Prefeito, José Andreguetto, e a secretária municipal do Meio Ambiente, Marilza Dias.
O novo ônibus é o mais silencioso e o que oferece o maior ganho ambiental do mercado. A nova tecnologia permite economia de combustível de até 35% e reduz em 90% as emissões de gases poluentes, em relação aos ônibus com tecnologia Euro 3, além de não emitir ruído em cerca de 30% a 40% do tempo de operação.
O Hibribus, que tem carroceria Marco Polo, opera com dois motores, um elétrico e outro a biodiesel, que funcionam em paralelo ou de forma independente. O motor elétrico é utilizado no arranque e na aceleração até a velocidade de 20 quilômetros por hora quando entra em funcionamento o motor a biodiesel que, no caso de Curitiba, é à base de soja.
O Hibribus é um híbrido em que o motor elétrico é usado também como gerador de energia durante as frenagens. A cada vez que os freios são acionados, a energia da desaceleração é utilizada para carregar as baterias.
Quando o veículo está parado, seja no trânsito, em pontos de ônibus ou semáforos, por exemplo, o motor a biodiesel fica desligado, o que favorece sua utilização em linhas paradoras e de trânsito compartilhado.
Pioneirismo e avanço

O Hibribus é mais um avanço na trajetória pioneira da capital paranaense de utilização de energia limpa no transporte coletivo. Curitiba é a única cidade da América Latina a ter uma frota em operação regular com ônibus movidos exclusivamente a biodiesel, sem mistura de óleo mineral.
São 32 ônibus no chamado projeto B 100 (100% biodiesel), entre eles 26 ônibus do sistema Expresso Ligeirão - biarticulados com 28 metros de comprimento e capacidade para 250 passageiros, a mesma de um Boeing 767. Até metade do ano que vem mais 20 Ligeirões vão começar a circular, no Eixo Norte, elevando para 52 o número de veículos do B100 em Curitiba.
Com um índice de acessibilidade de 92%, o maior do país segundo pesquisa do Portal Mobilize Brasil em 2011, a Rede Integrada de Transporte de Curitiba conta com uma frota operante de 1915 ônibus (0,2% da frota total de veículos da cidade) que responde por 60% dos deslocamentos feitos com veículos motorizados e 45% do total de deslocamentos na cidade. Por dia são 21 mil viagens num total de 490 mil quilômetros. O número de passageiros transportados é de cerca de 2,3 milhões por dia útil. A Rede conta com 30 terminais de transporte, 364 estações tubo, 81 quilômetros de canaletas e cerca de 9,5 mil pontos de parada.
Desde abril deste ano, a rede também conta com monitoramento em tempo real, com a implantação de um moderno Centro de Controle Operacional, que representa um novo patamar no planejamento e gestão do transporte coletivo.
Curitiba também já iniciou o processo de implantação do metrô. A Linha Azul, da CIC/Sul à Rua das Flores, deve ter as obras iniciadas ainda neste ano, com investimento de R$ 2,3 bilhões.
Cada vez mais verde - Curitiba também apresenta na Rio + 20 as diversas ações de preservação do meio ambiente e sustentabilidade. Cada cidadão que mora em Curitiba conta hoje com 64,5 metros quadrados de área verde, distribuída nos parques e bosques públicos e nas áreas particulares, além das 300 mil árvores nas ruas da cidade. Espaços de conservação, convívio e lazer, os parques guardam parte da memória e história da cidade, além de abrigarem fragmentos da vegetação nativa.
Outra alternativa pra conservação é o incentivo fiscal dado aos proprietários de áreas verdes para transformá-las em Reservas Particulares do Patrimônio Natural Municipal. A propriedade continua privada, mas o benefício se torna público. Números apontam que o conjunto atual de áreas verdes de Curitiba retira da atmosfera nada menos que 168 toneladas de dióxido de carbono por hectare. Quem mora na cidade, respira aliviado.
Coleta seletiva - A questão do lixo, grande problema urbano mundial, é outra questão bem equacionada em Curitiba. Cidade pioneira no Brasil a implantar a coleta seletiva, desde 1989, tem hoje uma realidade bem acima da média nacional. Mais de 85% da população separa o lixo doméstico. O município, na contrapartida, é atendido em 100% de sua área com a coleta de resíduos domiciliares orgânicos e recicláveis.
Programas como o Câmbio Verde, que troca lixo reciclável por alimentos em diversos pontos da cidade, e o Ecocidadão são outros exemplos inteligentes de gerenciamento do lixo.
Sempre à frente - Curitiba de mantém pioneira nas inovações de transporte, como a primeira a contar com os ligeirões, os maiores ônibus do mundo movidos a biocombustível, e agora ao apresentar o hibribus na Rio + 20. Desde 1974, os curitibanos contam com um sistema integrado que possibilita atravessar a cidade pagando uma única passagem. São ganhos de mobilidade e ambientais, graças ao incentivo ao uso coletivo. Ao unir energia elétrica e biodiesel, a frota é mais silenciosa e reduz em até 80% as emissões de carbono. Não é por acaso que o transporte urbano em Curitiba é referência nacional e internacional.
Os rios da cidade também são tratados com carinho. Ações de revitalização incluem a transferência de famílias que vivem irregularmente em suas margens para áreas dignas e seguras. No local, a cidade ganha novos parques lineares e a volta da vegetação nativa. Educação ambiental e fiscalização passam a fazer parte do entorno das águas.
Antes de estar na moda, a palavra Sustentabilidade já era ordem em Curitiba. O conjunto de iniciativas proposto pelo município e aceitas por sua população já conferiram à cidade, em 2010, o prêmio Cidade Sustentável do Globe Fórum, além do primeiro lugar do índice de Cidades Verdes da América Latina, pelo The Economist / Siemens. Em Curitiba, desenvolvimento rima com preservação ambiental. 

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado na Rio + 20

14/06/2012 - Prefeitura de Curitiba

O Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) apresentado por Curitiba na manhã desta quinta-feira (14), na Rio +20 (Conferência Mundial para o Desenvolvimento Sustentável), foi atração  no Parque dos Atletas, área onde ficam os estandes com projetos de vários cidades de todo o mundo.
Aberto às 11h30, o estande de Curitiba recebeu já de início a visita de mais de 100 pessoas, entre autoridades e empresários do setor do transporte de todo o país.

Ao apresentar o novo veículo o prefeito Luciano Ducci destacou a importância do investimento permanente de Curitiba na evolução do transporte público. Estou feliz que Curitiba saia mais uma vez na frente neste processo. Pensar no transporte hoje é pensar no futuro sustentável. Fico feliz que nossos parceiros neste projeto tenham aceitado mais este desafio, afirmou.

O secretário de Transportes do Rio de Janeiro, Alexandre Sansão, elogiou o novo ônibus de Curitiba e frisou que o transporte da capital paranaense é modelo para os cariocas. Acabamos de implantar no Rio de Janeiro o Ligeirão, inspiradíssimos em Curitiba. A participação de Curitiba na Rio + 20 é bastante significativa, porque é uma cidade avança no modelo sustentável de transporte, disse Sansão que representou o prefeito carioca Eduardo Paes no lançamento do Hibribus.
O presidente da Volvo Bus para a América Latina, Luiz Carlos Pimenta, lembrou que o prefeito esteve, no ano passado, na matriz da montadora na Suécia e lançou o desafio de produzir o ônibus no Brasil, o que já é uma realidade em Curitiba. Temos uma longa história de desafios que temos cumprido em Curitiba. É uma cidade que só aceita a excelência nas ações feitas para os curitibanos, ressaltou.

O presidente da AproBio, Associação dos Produtores de Biodiesel, Erasmo Carlos Batistella, considera que Curitiba mostra que é possível investir na sustentabilidade dos sistemas de transporte ao lançar o ônibus híbrido. A participação de Curitiba na Rio + 20 é importante para mostrar ao mundo o que é possível fazer pela sustentabilidade no transporte. Curitiba é a única da cidade da América Latina a conseguir a colocar em operação uma frota 100% movida a biocombustível e que conta com os maiores ônibus do mundo.  O hibribus é mais um passo nesta caminhada pelo desenvolvimento, disse.


Operação – Curitiba colocará em operação 60 veículos, com capacidade para 85 passageiros que entrarão na Rede Integrada de Transporte de Curitiba a partir de setembro. Eles vão operar em linhas convencionais, na cor amarela, que fazem ligação bairro a bairro (Detran/Vicente Machado/ Água Verde/Abranches; Juvevê/Água Verde; e Jardim Mercês/Guanabara) e em linha circular, a Interbairros I, na cor verde.
 
Produção – O Hibribus começou a ser produzido pela Volvo em Curitiba neste ano, com investimento de US$ 20 milhões. O sistema de transporte de Curitiba vai investir R$ 26 milhões para adquirir os primeiros 60 veículos híbridos para a frota da cidade.
Primeiro ônibus híbrido produzido pela Volvo no Brasil o Hibribus, com carroceria Marcopolo, opera com dois motores, um elétrico e outro a biodiesel, que funcionam em paralelo ou de forma independente.

Se comparado aos veículos Euro 5, obrigatórios no mercado brasileiro a partir deste ano, o Hibribus curitibano emite até 50% menos material particulado, 50% menos óxido de nitrogênio (NOX) e 35% menos gás carbônico (CO2). Em relação aos veículos Euro 3, que compõem atualmente a maior parte da frota brasileira de ônibus, o ganho ambiental é ainda mais significativo: 90% menos material particulado e 90% menos NOX, além dos 35% menos CO2.

O motor elétrico é utilizado no arranque e na aceleração até a velocidade de 20 quilômetros por hora quando entra em funcionamento o motor a biodiesel que, no caso de Curitiba, é à base de soja. O Hibribus é um híbrido em que o motor elétrico é usado também como gerador de energia durante as frenagens. A cada vez que os freios são acionados, a energia da desaceleração é utilizada para carregar as baterias.

Quando o veículo está parado, seja no trânsito, em pontos de ônibus ou semáforos, por exemplo, o motor a biodiesel fica desligado, o que favorece sua utilização em linhas paradoras e de trânsito compartilhado. O Hibribus faz parte da política do município de investir na redução do impacto ambiental da frota do transporte coletivo. Além de reduzirmos emissões de poluentes o Hibribus é traz um novo conceito para as futuras gerações, afirmou o prefeito Luciano Ducci.

sábado, 16 de junho de 2012

Prefeito de Curitiba lança ônibus híbrido na Rio+20

13/06/2012 - Jornal do Brasil

A Prefeitura Municipal de Curitiba vai apresentar na Rio+20 o primeiro Hibribus do Transporte Público Brasileiro. Movido a biodiesel e eletricidade, o novo ônibus é o mais silencioso e o que oferece o maior ganho ambiental do mercado. O sistema de transporte de Curitiba vai investir R$ 26 milhões para adquirir os primeiros 60 veículos híbridos, que já farão parte da frota de transporte público da cidade a partir de setembro de 2012.

A coletiva de imprensa será no estande da Prefeitura Municipal de Curitiba, no Parque dos Atletas, e contará com a presença do prefeito municipal de Curitiba, Luciano Ducci, e do presidente da Volvo Bus Latin America, Luis Carlos Pimenta. 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Passageiros aprovam sistema que monitora chegadas dos ônibus

13/02/2012 - Agência Curitiba

Ainda em testes, o sistema que informa ao passageiro em quanto tempo o seu ônibus vai chegar já é um sucesso em Curitiba. O sistema está sendo testado no Terminal Cabral e estabelece o monitoramento dos ônibus e a comunicação direta e em tempo real dos motoristas com a Central de Controle Operacional da Urbs. O projeto será estendido à todos os terminais e ônibus da frota do transporte coletivo.

Instalada no terminal na última quarta-feira (8) uma tela de LCD, de 42 polegadas, traz informações da previsão de chegada dos ônibus e os três horários seguintes das linhas de alimentadores Solar, Tingui e São João. O uso da tecnologia fez sucesso e, mesmo quem normalmente não utiliza estas linhas, aprova o sistema.

“Isso é muito bom mesmo, é um avanço enorme que vai facilitar a vida da gente”, afirma Marcia de Cristo, educadora que seguia para Colombo em busca de informações sobre um concurso municipal. “Vou até o Guarituba (terminal de transporte em Colombo) e uso muito este terminal. Agora vou esperar que este sistema seja ativado nas outras linhas”, afirmou.

“A gente já consulta horário ali no totem ou em folhas que ficam pelo terminal. Mas aqui é muito mais fácil de ler e além de tudo é previsão de quanto tempo vai demorar. Dá até prá saber se dá tempo de comprar um sorvete ali na banquinha”, brinca Leonel Bueno, trabalhador que normalmente utiliza a linha Tamandaré-Cabral.

O jovem trabalhador Wilson Diego, 21 anos, do setor gráfico, não economizou elogios. “Olha só, estão fazendo teste justamente na minha linha (Solar). Maravilha. Olha aí, meu ônibus vai chegar em dois minutos. Vamos ver”, afirmou. Dois minutos depois, ele fez questão de acenar com um sinal de aprovação avisando que estava entrando no ônibus, conforme o previsto.

Tempo real - O projeto da Urbs prevê informação online ao usuário em todos os terminais, de todas as linhas que passam em cada terminal. Para isso todos os ônibus (2,3 mil na frota operante integrada e não integrada) já contam com GPS, equipamentos e sistemas necessários a esta operação.

Acoplado na parte elétrica do ônibus, com tecnologia 3G, o GPS indica o ponto do trajeto em que está o veículo e software específicos enviam à Central de Operações e – conforme o que está sendo testado – às telas nos terminais, informação do tempo necessário para que o ônibus percorra o trajeto entre o ponto em que se encontra e o terminal.

Cerca de 500 ônibus já estão sendo monitorados em tempo real pela Central de Controle Operacional do Transporte Coletivo da Urbs. A partir dos resultados dos testes iniciados nesta semana, gradativamente a previsão de chegada destes ônibus também será informada aos usuários, em telas nos demais terminais.

O sistema, que será implantado em toda a frota até o fim do ano, também permite comunicação direta e em tempo real entre o motorista do ônibus e a Central de Operações. Assim, o motorista pode comunicar à CCO problemas durante a viagem – assalto, vandalismo, acidentes, necessidade de alteração de rota em função em função de obras ou bloqueios de ruas.

Da mesma forma, os técnicos operadores da CCO podem enviar mensagens aos motoristas, alertando por exemplo, da existência de congestionamentos, acidentes ou bloqueios ao longo do trajeto e orientando sobre eventuais alterações de rota. 

Compartilhe Twitter Orkut Facebook Delicious Digg Mais

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Novos projetos para mais mobilidade e qualidade de vida em 2012

02/01/2012 - Urbs

A Urbs, empresa que gerencia o transporte e uso comercial de equipamentos urbanos prevê, para este novo ano, uma série de projetos voltados à melhoria da mobilidade e à qualidade de vida da população.

É o caso, por exemplo, do Ligeirão Norte ligando o terminal Santa Cândida à praça do Japão, criando mais uma opção de deslocamento - com viagens mais rápidas e com menos paradas - como já acontece nas linhas Boqueirão e Pinheirinho-Carlos Gomes.


Também está prevista para este ano a reforma do Terminal Santa Cândida o que, além da implantação do Ligeirão, vai viabilizar também a ampliação da integração do transporte com a Região Metropolitana.

O Sistema Integrado de Mobilidade (SIM), projeto desenvolvido pela Urbs em parceria com o Ippuc, começará a ser implantado ainda neste ano e vai garantir a gestão integrada do trânsito e transporte. Um dos primeiros passos do projeto será a implantação, até meados do ano, na Urbs, da Central de Controle Operacional (CCO) que reunirá técnicos de transporte e de trânsito no monitoramento on line das ruas da cidade podendo estabelecer comunicação direta com motoristas e usuários de ônibus.

No caso do trânsito, o sistema começa a ser implantado no Anel Viário, em construção pela Prefeitura ao longo de 25 quilômetros no entorno do centro. Neste trecho, painéis de mensagens variadas vão permitir avisar ao motorista das condições do trânsito na via e alternativas em casos de obras e acidentes.

No caso o transporte coletivo, dispositivos já instalados nos ônibus vão permitir a comunicação on line entre o motorista e a Central. O motorista poderá, por exemplo, entrar em contato com a Central em tempo real para comunicar acidentes, assaltos ou qualquer outra situação de emergência. Ele também poderá ser avisado, pela Central, quando for necessário – em função de acidente, por exemplo, alterar a rota.

Quase 200 ônibus novos vão entrar em operação no ano que vem, com uma renovação de 10% da frota operante (1.915 ônibus) e 30 ônibus híbridos, movidos a energia elétrica (bateria) e biocombustível, passarão a compor a frota de linhas de ônibus convencionais.

A compra do Hibribus, anunciada em meados do ano, também garantiu a Curitiba a implantação da unidade de produção destes ônibus. A Volvo, fabricante do Hibribus, anunciou a ampliação de sua unidade curitibana para produção do novo ônibus em nível mundial.

A previsão para 2012 é que os curitibanos também passem a contar com câmeras de monitoramento nos ônibus, terminais e estações tubo, garantindo mais segurança a passageiros e operadores. Também para este próximo ano está prevista a chamada mídia embarcada, com instalação de TVs nos ônibus para veiculação de informações, utilidade pública e publicidade.

Além dos usuários e operadores do transporte coletivo, a cidade como um todo vai ganhar no próximo ano um novo Centro de Eventos no Parque Barigui. Equipamento gerenciado pelo Urbs, o novo Centro está em construção a partir de licitação para uso e exploração comercial feita neste ano de 2011 e que teve como vencedor o consórcio Positivo J Malucelli. Endereço que vai colocar Curitiba na rota dos grandes eventos e feiras nacionais e internacionais, o Centro de Eventos Barigui tem um projeto sustentável, integrado ao paisagismo do Parque e com uma estrutura que permite abrigar até cinco mil pessoas ao mesmo tempo em um único auditório.