quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Ônibus do transporte coletivo de Curitiba terão TV a bordo em 2013

13/12/2012 - Prefeitura de Curitiba

Os passageiros dos ônibus do transporte de Curitiba vão contar, em breve, com uma ferramenta com informações de serviços e de variedades durante o tempo de viagem. Está em fase final de testes o sistema de Mídia Embarcada, que começará a funcionar em 2013 na frota do transporte público. Todos os veículos serão equipados com monitores de vídeo que vão passar informações sobre o clima, notícias do site da Prefeitura e do portal UOL.


O sistema também vai gerar recursos que serão integralmente investidos na melhoria do transporte coletivo da cidade. A implantação de vídeo nos ônibus e terminais do transporte coletivo é mais uma ação voltada à melhoria do atendimento ao usuário que passará a ter acesso a informações, notícias, utilidade pública e avisos, durante a viagem ou enquanto espera pelo ônibus no terminal.

A programação inclui veiculação de publicidade com destinação de recursos ao Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC) para utilização exclusivamente na melhoria do sistema de transporte coletivo. O sistema funciona com monitores de alta tecnologia que serão instalados nos 21 terminais urbanos de transporte e no terminal Guadalupe e em 1,5 mil ônibus da frota operante de 1.915 veículos.


Programação - O tempo de programação será 15% destinado a informações prestadas pela Prefeitura; 15% informações prestadas pela Urbs; 40% de notícias e 30% mensagens publicitárias.

A mídia embarcada abrirá espaço para veiculação de utilidade pública aos usuários do transporte coletivo, informando por exemplo, sobre campanhas de vacinação, eventos, concursos, previsão de tempo ou até mesmo eventuais desvios de rota em função de acidentes ou obras no trajeto do ônibus.

Frota - A Rede Integrada de Curitiba conta com uma frota operante de 1.915 ônibus e atende Curitiba e 13 municípios da Região Metropolitana. Por dia, são 2,3 milhões de passageiros transportados, 21 mil viagens e 490 mil quilômetros percorridos. A Rede conta com 82 quilômetros de vias exclusivas para os ônibus (canaletas), 30 terminais de transporte, 364 estações tubo e cerca de 9,5 mil pontos de paradas.

Informações: Prefeitura de Curitiba

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Corredor Aeroporto-Rodoferroviária é principal obra de mobilidade

11/10/2012 - Padrão

A única grande obra de mobilidade em andamento em Curitiba (PR) visando à Copa do Mundo é a requalificação do Corredor Aeroporto-Rodoferroviária. Partindo do terminal aeroportuário Afonso Pena até o centro da capital paranaense, os trabalhos já começaram somente no trecho dentro do município de Curitiba - as obras do trecho no município de São José dos Pinhais ainda não foram licitadas. A intervenção faz parte do PAC da Copa.

As obras em andamento no corredor incluem a construção do viaduto estaiado fazendo a transposição da avenida Comendador Franco (mais conhecida como avenida das Torres) pela rua Francisco Heráclito dos Santos - o cruzamento é um dos mais movimentados da cidade.

O viaduto será suspenso por 21 cabos, ancorados por um pilar de 69 m de altura. O tabuleiro do viaduto terá 25 m de largura com quatro faixas de circulação, duas em cada sentido da via. Além das pistas, o viaduto terá ciclovia nas duas laterais.

A avenida das Torres, principal ligação de Curitiba ao aeroporto e que faz parte do corredor, terá calçadas refeitas, que darão espaço a uma ciclovia com total de 20 km. Melhorias na iluminação também estão previstas no projeto.
Os trabalhos foram iniciados em junho pelo consórcio integrado pelas empresas paranaenses JMalucelli e CR Almeida. A previsão de entrega é de um ano. O custo da obra nesse trecho é de R$ 94,7 milhões. Já o custo da obra do trecho ainda não licitado do corredor Aeroporto-Rodoferroviária é de R$ 48 milhões.

Fonte: Padrão

domingo, 6 de janeiro de 2013

Em Curitiba, Governo do Estado garante subsídio para tentar manter tarifa de R$ 2,60

05/01/2012 - Governo PR

O governador Beto Richa confirmou nesta sexta-feira (4) que manterá o convênio com a Prefeitura de Curitiba para o repasse do subsídio do transporte público. O objetivo é manter a permanência da atual tarifa (R$ 2,60) do transporte coletivo da Capital. Serão repassados R$ 23,8 milhões no período de janeiro a maio. Cerca de 25 milhões de usuários, que utilizam a Rede Integrada de Transporte todos os meses, serão beneficiados.

"Estamos confirmando a manutenção do convênio para que a passagem não suba", afirmou o governador. Segundo ele, até maio o governo estadual estudará e implantará novas medidas para auxiliar o transporte de Curitiba e de outras cidades que possuem sistemas organizados de transporte coletivo.

"Este subsídio dado ao atual prefeito de Curitiba está nos mesmos parâmetros do qual foi repassado ao anterior", garantiu Richa. Ele lembrou que, enquanto prefeito da capital, baixou a tarifa de ônibus sem auxílio financeiro. "Eu não subi a passagem de ônibus. Eu reduzi uma tarifa que era uma das mais caras do país, sem a ajuda de ninguém", disse.

O convênio foi criado em maio do ano passado com o intuito de manter a tarifa do transporte coletivo. O valor repassado é a diferença entre o valor pago pelo usuário (R$ 2,60) e o valor real da chamada "tarifa técnica" (cerca de R$ 2,90) calculada pela Urbanização de Curitiba (Urbs).

Em 2012, foram repassados R$ 33,6 milhões. Outros R$ 6,5 milhões foram empenhados em dezembro e serão pagos na próxima semana. O dinheiro é repassado pelo Estado para o Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC), como forma de subsidiar também o custo do transporte de passageiros da região metropolitana. A Rede Integrada envolve 14 municípios e registra, em média, 25 milhões de usuários por mês.


"Este foi um grande projeto do governador Beto Richa para intervir no reequilíbrio tarifário de Curitiba. Com isso, garantimos essa tarifa à população",m" disse Rui Hara, coordenador da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec).
,,
O convênio envolve a Urbs, a Comec, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR), a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e a Secretaria de Estado do Planejamento.

Informações: Governo do Paraná

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Comissões vão avaliar tarifa e recursos do metrô de Curitiba

03/01/2013 - Bem Paraná

No final de semana, o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana divulgou, através de anúncio publicitário, nota na qual afirmava que o sistema vive a maior crise de sua história.

O reajuste da tarifa de ônibus e a aplicação dos recursos destinados ao metrô serão definidos por duas comissões, criadas ontem por atos do prefeito Gustavo Fruet (PDT). A comissão que estudará a tarifa de ônibus será presidida pelo presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Júnior, e integrada também pelo secretário municipal de Trânsito, Joel Kruger. O presidente da comissão convidará o Ministério Público e entidades da sociedade organizada a acompanharem as avaliações.

O prefeito não descartou a necessidade de pedir auditoria no sistema de transporte e também no fundo administrado pela Urbs. Segundo Fruet, as informações que a equipe de transição tem até o momento são oriundas dos documentos publicados pelas empresas de ônibus, o que torna necessário obter outros dados.

No final de semana, o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana divulgou, através de anúncio publicitário, nota na qual afirmava que o sistema vive a maior crise de sua história. E que segundo estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) contratado pelas empresas, a tarifa técnica estaria hoje em R$ 3,10. O valor pago pela Urbs é de R$ 2,898 – o que inclui subsídio do governo do Estado de cerca de R$ 60 milhões ao ano.

Sobre a questão do subsídio, o prefeito informou que vai formalizar ao governador Beto Richa (PSDB) o pedido para que seja renovado o convênio entre Estado e município. "É uma questão de justiça social. A tarifa única foi criada exatamente para beneficiar aquelas pessoas que moram mais longe e o subsídio é necessário para garantir que a Região Metropolitana permaneça com a mesma tarifa do sistema integrado", disse Fruet.

"Os quase R$ 60 milhões que o governo estadual assumiu no ano passado são um valor expressivo em um sistema licitado há apenas dois anos, que não deveria apresentar essa defasagem num prazo tão curto. O governador, que foi prefeito da capital por seis anos, entende a importância de relação entre as administrações municipal e estadual, e certamente terá uma postura responsável em relação a este tema", afirmou o prefeito.

Fruet disse que a decisão sobre o preço da passagem de ônibus dependerá da resposta do governo do Estado sobre o subsídio. "É cedo para falar nisso, mas não será o valor apresentado pelo sindicato", disse, referindo-se ao valor de R$ 3,10 apontado como necessário pelo Sindicato das Empresas Operadoras do Transporte Coletivo.

Metrô — A comissão que definirá a aplicação dos recursos destinados ao metrô será coordenada pelo engenheiro Augusto Canto Neto, com participação de servidores e técnicos envolvidos no processo, nas áreas de engenharia e financeira e também no projeto executivo. "As avaliações vão servir para definir qual o melhor modelo a ser adotado para aproveitamento dos recursos do governo federal", explicou Fruet.