terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Prefeitura não concluiu nenhuma obra prevista no Plano de Mobilidade de Curitiba

06/12/2016  - Gazeta do Povo

No primeiro semestre de 2013, primeiro ano da gestão de Gustavo Fruet à frente da prefeitura de Curitiba, foi apresentado um plano de mobilidade para a cidade e ele contemplava as obras de alta e média capacidade de transporte que seriam realizadas – ou pelo menos iniciadas – até 2017. Das sete propostas apresentadas pelo Executivo, três tinham previsão de serem concluídas até o fim deste ano e outras três, até 2018. Entretanto, nenhum dos sete projetos segue de acordo com o cronograma original e a maioria ainda não saiu do papel.

Metrô

NÃO SAIU DO PAPEL

Segundo o que foi apresentado pela prefeitura no Plano de Mobilidade, o metrô da capital teria 22,2 km de extensão, ligaria a Cidade Industrial ao Santa Cândida e transportaria 600 mil passageiros por dia útil.

Previsão original

Início – 2014

Conclusão – 2018

O que a prefeitura diz: O início da licitação da obra depende do posicionamento do Ministério das Cidades sobre o parecer de análise do projeto feito pela Caixa e, principalmente, da disponibilidade de recursos da União.

Conclusão da Linha Verde

OBRAS ATRASADAS

Até o fim deste ano, a prefeitura de Curitiba previa o fim das obras na Linha Verde, incluindo a implementação da linha Ligeirão Atuba/CIC Sul, que transportaria 45 mil passageiros/dia. “Conclusão da transformação da antiga BR-116, em seu trecho urbano, em uma via de integração metropolitana, com canaletas exclusivas de ônibus expressos”, diz o Plano de Mobilidade.

Previsão original

Conclusão – 2016

O que a prefeitura diz: estão em obras o trecho 3.1, da Av. Victor Ferreira do Amaral até o Bacacheri; e 3.2, no Bairro Alto. Os outros três lotes de obras estão sendo mais demorados que o esperado, segundo a prefeitura, por causa da antiguidade e complexidade dos projetos. Além disso, a grande quantidade de projetos e metas de mobilidade acabou por acumular muito trabalho sobre uma equipe de servidores. Após a análise dos projetos, o início das obras ainda depende da disponibilidade de recursos do governo federal.

Ligeirão Leste-Oeste

NÃO SAIU DO PAPEL

Assim como foi feito na linha Santa Cândida/Capão Raso e na canaleta da Avenida Marechal Floriano Peixoto, o Plano de Mobilidade previa o desalinhamento das estações-tubo de modo que pudesse ser implantado um ligeirão que faria a ultrapassagem do expresso tradicional também na linha Leste-Oeste. O ligeirão faria poucas paradas, portanto seria mais rápido e ajudaria a reduzir a quantidade de passageiros nas linhas comuns. Além disso, estava prevista a construção e reforma de terminais.

Previsão original

Início – 2013

Conclusão – 2016

O que a prefeitura diz: A primeira etapa dos desalinhamentos já está licitada e aguarda autorização para início da obra, que depende da liberação de recursos pelo Ministério das Cidades. As outras três etapas da obra e os demais itens do projeto estão em avaliação pela Caixa Econômica Federal.

Inter 2

NÃO SAIU DO PAPEL

O projeto de requalificação do Inter 2 previa obras no itinerário da linha, visando o aumento da capacidade de passageiros e da velocidade operacional: implantação de faixas exclusivas, compartilhamento de trechos de canaletas, reforma e construção de terminais, além de trincheiras e implantação de binários.

Previsão original

Início – 2014

Conclusão – 2018

O que a prefeitura diz: A trincheira da Mario Tourinho é o único item do projeto em condições de licitação, mas aguarda homologação pelo Ministério das Cidades. As demais intervenções estão em fase de finalização de projetos e correções do orçamento.

Veículo Leve Sobre Pneus

NÃO SAIU DO PAPEL

Dividido em duas fases, o projeto de implantação do VLP previa a ligação entre o bairro Cachoeira com o centro da cidade e, posteriormente, a conexão com a Av. Mal. Floriano Peixoto. A solução foi apresentada no Plano de Mobilidade como uma “verdadeira ferramenta de reconquista do espaço público”.

Previsão original

Início – 2014

Conclusão – 2016 (fase 1), 2017 (fase 2)

O que a prefeitura diz: Os projetos não foram contemplados pelo governo federal no PAC Mobilidade, de 2013, portanto não existe previsão de recursos para o modal. Como alternativa, a prefeitura lançou um Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para a implantação e operação de linhas de transporte público com acionamento elétrico. As propostas apresentadas pelos proponentes e os projetos estão em análise pela comissão encarregada do processo.

Anel Viário

NÃO SAIU DO PAPEL

A ideia era redistribuir o trânsito de veículos para diminuir o fluxo em direção à área central. Para isso, estavam previstas a requalificação de 61,3 km de vias na periferia.

Previsão original

Início – 2014

Conclusão – 2018

O que a prefeitura diz: O projeto não foi contemplado no PAC Mobilidade, de 2013, portanto não existe previsão de recursos para o modal.

Contorno Sul

NÃO SAIU DO PAPEL

A intervenção previa a revitalização das pistas marginais do Contorno Sul, além da implantação de uma via marginal de 10 km no sentido Norte-Sul. Segundo o Plano de Mobilidade, esta é uma das regiões com maior incidência de acidentes de trânsito na cidade.

Previsão original

Início – Não há

Conclusão – Prazo de 3 anos

O que a prefeitura diz: O Contorno Sul não está na governabilidade do município. Apesar de beneficiar Curitiba, o projeto está a cargo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. No órgão, o processo licitatório está suspenso para revisão da planilha orçamentária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário